ANUNCIE AQUI

Saiba o que é coronavírus Mers e como ocorre a transmissão

Doença já provocou a morte de mais de 15 pessoas na Coreia do Sul e deixa Organização Mundial de Saúde em alerta

Por: Bruna Scirea
15/06/2015 - 16h03min
Mãe e filha usam máscaras em hospital de Seul, capital da Coreia do SulFoto: JUNG YEON-JE / AFP

A Mers é uma síndrome respiratória provocada por uma variante do coronavírus, identificada pela primeira vez na Arábia Saudita, em 2012. Entre maio e junho deste ano, a doença provocou a morte de mais de 15 pessoas na Coreia do Sul, deixando em alerta a Organização Mundial de Saúde (OMS). O órgão estima que 36% dos casos terminam em óbito.

Veja abaixo como se dá a transmissão da doença, quais são os sintomas, tratamento, possibilidades de prevenção, e quais as chances de o surto da Mers chegar ao Brasil.

OMS irá convocar reunião de emergência sobre o MERS

O que é a Mers?

A Mers (Middle East Respiratory Syndrome) é uma síndrome respiratória provocada por uma variante do coronavírus altamente agressiva, denominadaMERS-CoV, identificada pela primeira vez em 2012, na Arábia Saudita. De acordo com a OMS, 36% dos casos de Mers evoluem a óbito.

TransmissãoO contágio se dá por meio do contato próximo com pessoas ou animais infectados. De acordo com a OMS, a transmissão de pessoa para pessoa ocorre com o contato próximo com um paciente. O vírus, presente nas secreções respiratórias, pode ser transmitido por meio da tosse e espirro do paciente infectado.


Há indícios ainda de que, na transmissão de animais para humanos, os camelos sejam uma importante fonte transmissora. Estudos comprovaram que um vírus encontrado neste animais em países como Egito, Catar, Omã e Arábia Saudita era o mesmo que infecta o homem. Porém, ainda não foi comprovado que camelos, ou outros animais, sejam reservatório do vírus.

Sintomas

Os sintomas da doença são os mesmo de uma forte gripe: febre, tosse, dificuldade para respirar, diarreia e náusea. Em casos mais graves, a doença evolui para pneumonia, insuficiência respiratória, lesão pulmonar aguda, infecção generalizada, insuficiência renal e pericardite (inflamação no pericárdio, membrana que envolve o coração). 

Prevenção

Não há vacina. As medidas preventivas são semelhantes as do combate a gripe e incluem: lavar as mãos com frequência, cobrir nariz e boca ao tossir ou espirrar e evitar o contato com pessoas infectadas.


Tratamento

Não há remédio específico para a Mers. O tratamento é feito com medicamentos que aliviam os sintomas dos pacientes.

Quais os países mais afetados?

Mais de 400 mil mortes causadas pela Mers foram registradas entre 2012 e junho de 2015. Neste período, a doença foi identificada em 25 países da Ásia, África, Europa e América. Cerca de 85% dos casos, no entanto, foram verificados na Arábia Saudita.

O novo foco da doença agora é a Coreia do Sul, que está em alerta após a confirmação de mais de 15 mortos em função da doença e mais de cinco mil pessoas em quarentena, de maio a junho deste ano.

Quem corre risco?

Principalmente pessoas que visitaram a Península Arábica e a Coreia do Sul e, porventura, tiveram contato com infectados.

Há chances de chegar ao Brasil?
O risco existe, mas é mínimo, afirma o professor de Infectologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Luciano Goldani. 

De acordo com o infectologista, existe uma mobilidade muito grande para a Coreia do Sul (atual foco da doença), principalmente em função de negócios. Para que o vírus seja transmitido de uma pessoa para outra, no entanto, é preciso contato prolongado com pacientes infectados.

— O infectado se torna um transmissor quando já está muito doente, tossindo bastante. Nessas condições, em uma país que já está em alerta, ele certamente estará hospitalizado, não oferecendo riscos aos demais — afirma Goldani.

Mas, como todo cuidado é válido, o especialista alerta: pessoas que visitarem países com casos de Mers precisam estar atentos às medidas preventivas e, caso surjam sintomas parecidos com o de uma forte gripe, devem buscar ajuda médica imediata.

Leia mais notícias de mundo

E a SARS?

Os vírus da família Coronaviridae eram conhecidos por causar infecções simples no homem, como o resfriado comum ou a diarreia. Na última década, no entanto, surgiram novas variantes do vírus, altamente agressivas.

O primeiro surto provocado por uma nova variante ocorreu entre 2002 e 2003, com os primeiros registros na China - e depois casos verificados em mais de 30 países. Conhecida como SARS (Severe Acute Respiratory Syndrome), a doença causava uma grave e altamente contagiosa infecção pulmonar e foi causa da morte de mais de 700 pessoas.

A doença foi controlada após intervenção da OMS, com isolamento de casos, quarentena de pessoas com suspeita da infecção e alerta em viagens a regiões acometidas.

* Zero Hora

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Olá seja bem vindo ao Blog obrigado por sua visita deixe o seu comentário e se tiveres alguma dúvida entre em contato com a gente beijos

Topo